Voltar às publicações recentes

Esforço para controlar o temperamento (auto-regulação)

Nancy Eisenberg, PhD.

Arizona State University, EUA

Julho 2005 (Inglês). Tradução: julho 2011

Introdução

Uma importante dimensão do temperamento é esforço de controle, definido por Rothbart como “a capacidade de inibir uma resposta dominante para realizar uma resposta subdominante” (p.137)1 ou a “eficiência de atenção executiva, que inclui a capacidade de inibir uma resposta dominante e/ou ativar uma resposta subdominante, planejar, e detectar erros.”2 O esforço de controle inclui a capacidade de gerenciar voluntariamente a atenção (regulação de atenção) e inibir (controle inibitório) ou ativar (controle ativador) o comportamento sempre que necessário para se adaptar, especialmente em situações nas quais  a criança não está  particularmente inclinada a fazê-lo. Por exemplo, as capacidades de focalizar a atenção na presença de distrações, de não interromper os outros, de permanecer sentado na igreja, e de forçar-se a realizar uma tarefa desagradável são aspectos do esforço de controle. Estas capacidades fundamentam o aparecimento da auto-regulação, um marco importante no desenvolvimento da criança.3

Embora quase todas as crianças apresentem grandes progressos em relação ao esforço de controle – e, consequentemente, em sua auto-regulação – ao longo dos primeiros cinco anos de vida, há grandes diferenças individuais. Como comprovado por outros aspectos do temperamento, acredita-se que diferenças individuais de esforço de controle ocorrem por fatores biológicos – fatores hereditários e constitucionais, tais como o ambiente pré-natal – e por influências ambientais – por exemplo, atendimento pré-natal –, e podem ser afetadas por influências ambientais também durante a infância. Acredita-se que o esforço de controle envolva capacidade de atenção executiva e pode estar vinculado à atividade no giro anterior do cíngulo (parte do sistema límbico no cérebro). Foi demonstrado que o esforço de controle, como parte da atenção executiva, está envolvido no controle voluntário de pensamentos e sentimentos, na resolução de conflitos em relação a informações discrepantes, na correção de erros e no planejamento de novas ações.

Do que se trata

O surgimento da auto-regulação baseada no temperamento, incluindo-se as diferenças individuais, é importante por várias razões. À medida que as crianças crescem, são consideradas pelas pessoas encarregadas de sua socialização como gradativamente responsáveis por seus próprios comportamentos.3 Crianças que não estão bem reguladas têm probabilidade de provocar  reações negativas por parte de colegas e adultos. Além disso, as habilidades de atenção envolvidas no esforço de controle são provavelmente muito importantes para a aprendizagem.5,6 Por fim, as habilidades envolvidas no esforço de controle têm uma relevância evidente para a adaptação emergente  e para  a competência social  das crianças.7

Problema

Pelas razões mencionadas acima, é importante identificar tanto o padrão normativo para a emergência do esforço de controle como os antecedentes de diferenças individuais relativas a tal esforço. Os pesquisadores das ciências do desenvolvimento vêm examinando essas duas questões.

Contexto de Pesquisa

O esforço de controle vem sendo estudado por meio de uma variedade de métodos. Os investigadores que analisam o esforço de controle normalmente utilizam relatos dos pais ou de outros cuidadores sobre o esforço de controle e medidas comportamentais da criança. Normalmente, tais medidas de comportamento incluem tarefas que avaliam a atenção focalizada da criança e sua persistência em relação a tarefas, o controle de atenção em testes Stroop ou outras medidas de atenção executiva, capacidade da criança de postergar a recompensa – por exemplo, segurar um M&M em sua língua –, e a capacidade de inibir ou ativar comportamentos – por exemplo, seguir determinada instrução em resposta a um sinal ou mover-se rápida ou vagarosamente de acordo com instruções.8 Tal pesquisa foi conduzida em ambiente laboratorial (às vezes em pré-escolas) e no ambiente domiciliar.

Questões-chave de Pesquisa

As questões importantes de pesquisa são: a idade na qual o controle da atenção e comportamento – ou seja, controle através de inibição e de ativação – emerge nos primeiros anos de vida e quando se torna relativamente bem desenvolvido. Da mesma forma, os investigadores mostraram interesse nos aspectos das interações sociais da criança – especialmente interações pais-criança – associados a diferenças individuais relativas ao esforço de controle. Geneticistas que estudam o comportamento também tentaram identificar em que medida a hereditariedade contribui para o esforço de controle. Por fim, os pesquisadores avaliaram as relações entre o esforço de controle, os ajustamentos e o desenvolvimento moral de crianças pequenas.

Resultados de Pesquisas Recentes

Bebês pequenos demonstram baixos níveis de esforço de controle. A atenção torna-se um pouco mais voluntária (mas ainda muito limitada) entre 9 e 18 meses de idade,9 quando os bebês aprendem a resolver conflitos – por exemplo, quando processam informações –, corrigir erros e planejar novas ações.4 Utilizando uma tarefa semelhante àquela utilizada por Stroop, que exige que crianças pequenas desloquem sua atenção e inibam o consequente comportamento, Posner e Rothbart relataram que as crianças mostraram uma melhora significativa em seu desempenho aos 30 meses de idade, passando a apresentar um desempenho de alta precisão entre 36 e 38 meses de idade.10,11

Os bebês são muito limitados no componente comportamental do controle voluntário de comportamentos – por exemplo, a capacidade de inibir o comportamento sob comando –, mas estas habilidades melhoram consideravelmente no terceiro ano de vida.4,8 A capacidade de inibir  pelo esforço o comportamento em tarefas como “O Mestre Mandou” surge aproximadamente aos 44 meses de idade e é razoavelmente adequada aos 4 anos de idade,4,12 embora melhorias no esforço de controle continuem ao longo da infância.13

Estudos de gêmeos confirmam uma base genética no esforço de controle. Entretanto, as práticas parentais também estão associadas a diferenças individuais relacionadas ao esforço de controle. Em termos gerais, a auto-regulação de crianças pequenas – incluindo comportamentos que refletem o esforço de controle – tem sido associada positivamente ao apoio materno e negativamente ao estilo de cuidados diretivo e controlador.15,16,17 Do mesmo modo, um apego seguro aos 13 meses de idade17 e a sensibilidade materna aos 22 meses de idade8 são preditivos  do esforço de controle em uma avaliação futura.7

Por fim, fica claro que o esforço de controle está associado ao desenvolvimento positivo, mesmo nos primeiros cinco anos de vida. Por exemplo, medidas laboratoriais ou relatos de pais sobre o esforço de controle de crianças pequenas e em idade pré-escolar foram associados com níveis mais baixos de problemas comportamentais, na mesma época e em idades mais avançadas.18,19,20,21 Além disto, foi constatado que o esforço de controle de crianças pequenas está correlacionado com baixos níveis de emoções negativas,5,22,23 grande compromisso com a obediência24,25, altos níveis de competência social,5,6,19,26 e consciência,20,24 sendo  preditivo desses fatores ao longo do tempo. 

Conclusões

Embora o esforço de controle tenha origem hereditária, desenvolve-se rapidamente nos primeiros quatro anos de vida, sendo que progressos significativos ocorrem no terceiro ano. Diferenças individuais no esforço de controle, embora causadas parcialmente pela hereditariedade, também estão associadas com a qualidade da interação entre mãe-filho. Aparentemente, práticas parentais afetuosas e apoiadoras, e não distantes e diretivas, predizem níveis mais elevados do esforço de controle. Diferenças individuais no esforço de controle, que surgem durante os primeiros cinco anos de vida, foram associadas a níveis mais altos de ajustamento, competência social, obediência adequada e consciência, simultânea e posteriormente.

Implicações

Os períodos de 1 a 3 anos de idade e pré-escolar constituem um momento no qual o esforço para controlar o temperamento surge rapidamente e fornece a base para o desenvolvimento da auto-regulação, que é essencial, uma vez que afeta a  qualidade das interações sociais da criança e sua capacidade de aprendizagem. Uma vez que se espera cada vez mais que a criança apresente auto-regulação ao longo de seu processo de crescimento, os adultos tendem a reagir negativamente a crianças que não desenvolveram níveis normativos de auto-regulação.

Embora diferenças individuais sejam parcialmente atribuídas à hereditariedade, é provável que os indivíduos responsáveis pela socialização da criança possam influenciar o desenvolvimento de seu esforço de controle. Uma vez que a qualidade das práticas parentais está associada a níveis mais elevados do esforço de controle, é importante que pais e outros cuidadores sejam estimulados a interagir com a criança de forma a favorecer o desenvolvimento desse tipo de controle. De fato, a relação entre o estilo das práticas parentais e uma gama de resultados do desenvolvimento é provavelmente causada, em parte, pelos efeitos dessas práticas sobre a auto-regulação das crianças.27 Devido à relação entre esforço de controle e desenvolvimento psicológico e sócio-emocional saudável, os provedores de serviços e os formuladores de políticas deveriam implementar procedimentos que favoreçam práticas parentais apoiadoras e interações entre professor e criança.

Esta pesquisa foi financiada pelo National Institute on Drug Abuse e pelo National Institute of Health. Correspondências relativas a este artigo deverão ser endereçadas a Dra. Nancy Eisenberg: Psychology, Arizona State University, Tempe, AZ 85287-1104. nancy.eisenberg@asu.edu

Referências

  1. Rothbart MK, Bates JE. Temperament. In: Damon W, Eisenberg N, eds. Social, emotional, and personality development. New York, NY: John Wiley and Sons; 1998:105-176. Handbook of child psychology. 5th ed; vol 3.
  2. Rothbart MK, Bates JE. Temperament. In: Eisenberg N, ed. Social, emotional, and personality development. New York, NY: Wiley. Damon W, ed. Handbook of Child Psychology. 6th ed; vol 3. In press.
  3. Kopp CB, Neufeld SJ. Emotional development during infancy. In: Davidson RJ, Scherer KR, Goldsmith HH, eds. Handbook of affective sciences. Oxford, United Kingdom: Oxford University Press; 2003:347-374.
  4. Posner MI, Rothbart MK. Attention, self-regulation and consciousness. Philosophical transactions of the Royal Society of London Series B-Biological Sciences 1998;353(1377):1915-1927.
  5. Belsky J, Friedman SL, Hsieh KH. Testing a core emotion-regulation prediction: Does early attentional persistence moderate the effect of infant negative emotionality on later development? Child Development 2001;72(1):123-133.
  6. NICHD Early Child Care Research Network. Do children’s attention processes mediate the link between family predictors and school readiness? Developmental Psychology 2003;39(3):581-593.
  7. Eisenberg N, Smith CL, Sadovsky A, Spinrad TL. Effortful control: Relations with emotion regulation, adjustment, and socialization in childhood. In: Baumeister RF, Vohs KD, eds. Handbook of self-regulation: Research, theory, and applications. New York, NY: Guilford Press; 2004:259-282.
  8. Kochanska G, Murray K, Harlan ET. Effortful control in early childhood: Continuity and change, antecedents, and implications for social development. Developmental Psychology 2000;36(2):220-232.
  9. Ruff HA, Rothbart MK. Attention in early development: Themes and variations. London, United Kingdom: Oxford University Press; 1996.
  10. Gerardi-Caulton G. Sensitivity to spatial conflict and the development of self-regulation in children 24-36 months of age. Developmental Science 2000;3(4):397-404.
  11. Rothbart MK, Ellis LK, Rueda MR, Posner MI. Developing mechanisms of temperamental effortful control. Journal of Personality 2003;71(6):1113-1143.
  12. Reed MA, Pien DL, Rothbart MK. Inhibitory self-control in preschool children. Merrill-Palmer Quarterly 1984;30(2):131-147.
  13. Murphy BC, Eisenberg N, Fabes RA, Shepard SA, Guthrie IK. Consistency and change in children's emotionality and regulation: A longitudinal study. Merrill-Palmer Quarterly 1999;45(3):413-444.
  14. Goldsmith HH, Buss KA, Lemery KS. Toddler and childhood temperament: Expanded content, stronger genetic evidence, new evidence for the importance of environment. Developmental Psychology 1997;33(6):891-905.
  15. Calkins SD, Smith CL, Gill KL, Johnson MC. Maternal interactive style across contexts: Relations to emotional, behavioural, and physiological regulation during toddlerhood. Social Development 1998;7(3):350-369.
  16. Gilliom M, Shaw DS, Beck JE, Schonberg MA, Lukon JL. Anger regulation in disadvantaged preschool boys: Strategies, antecedents, and the development of self-control. Developmental Psychology 2002;38(2):222-235.
  17. Olson SL, Bates JE, Bayles K. Early antecedents of childhood impulsivity: The role of parent-child interaction, cognitive competence, and temperament. Journal of Abnormal Child Psychology 1990;18(3):317-334.
  18. Calkins SD, Dedmon SE. Physiological and behavioural regulation in two-year-old children with aggressive/destructive behaviour problems. Journal of Abnormal Child Psychology 2000;28(2):103-118.
  19. Eisenberg N, Fabes RA, Bernzweig J, Karbon M, Poulin R, Hanish L. The relations of emotionality and regulation to preschoolers' social skills and sociometric status. Child Development 1993;64(5):1418-1438.
  20. Kochanska G, Knaack A. Effortful control as a personality characteristic of young children: Antecedents, correlates, and consequences. Journal of Personality 2003;71(6):1087-1112.
  21. Lemery KS, Essex MJ, Smider NA. Revealing the relation between temperament and behaviour problem symptoms by eliminating measurement confounding: Expert ratings and factor analyses. Child Development 2002;73(3):867-882.
  22. Eisenberg N, Fabes RA, Nyman M, Bernzweig J, Pinuelas A. The relations of emotionality and regulation to children's anger-related reactions. Child Development 1994;65(1):109-128.
  23. Kochanska G, Coy KC, Tjebkes TL, Husarek SJ. Individual differences in emotionality in infancy. Child Development 1998;69(2):375-390.
  24. Kochanska G, Murray K, Coy KC. Inhibitory control as a contributor to conscience in childhood: From toddler to early school age. Child Development 1997;68(2):263-277.
  25. Kochanska G, Coy KC, Murray KT. The development of self-regulation in the first four years of life. Child Development 2001;72(4):1091-1111.
  26. Raver CC, Blackburn EK, Bancroft M, Torp N. Relations between effective emotional self-regulation, attentional control, and low-income preschoolers’ social competence with peers. Early Education and Development 1999;10(3):333-350.
  27. Eisenberg N, Cumberland A, Spinrad TL. Parental socialization of emotion.  Psychological Inquiry 1998;9(4):241-273.

Para citar este artigo:

Eisenberg N. Esforço para controlar o temperamento (auto-regulação). Em: Tremblay RE, Boivin M, Peters RDeV, eds. Rothbart MK, ed. tema. Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância [on-line]. http://www.enciclopedia-crianca.com/temperamento/segundo-especialistas/esforco-para-controlar-o-temperamento-auto-regulacao. Publicado: Julho 2005 (Inglês). Consultado: 17/08/2019.