Compartilhar:

Qual é sua importância?

Diversos estudos concordam com a convicção de Piaget: “brincar é o trabalho da infância”. As crianças investem entre 3% a 20% do seu tempo e de sua energia em brincadeiras e, após um período em que foram privadas da oportunidade de brincar, o tempo destinado a essa atividade aumenta. O brincar está associado aos meios não aos fins – ou seja, o processo do brincar é mais importante do que criar um objetivo. O brincar também é prazeroso.

Os pesquisadores identificaram vários subtipos do brincar – locomotor, social, com objetos, linguístico, simulado e o brincar sócio dramático – e seus respectivos benefícios. Durante os anos pré-escolares, o brincar oferece oportunidades para as crianças desenvolverem competências acadêmicas e sociais, preparando-as para as exigências da escola e do mundo externo.

Na verdade, por intermédio do brincar as crianças aprendem várias habilidades que contribuirão para o seu sucesso na vida: 1) colaboração (trabalho em equipe); 2) conteúdo (matemática, ciência); 3) comunicação (oral e escrita); 4) criatividade, e 5) confiança. Brincar confere às crianças habilidades fora da sala de aula, à medida que desenvolvem habilidades para a vida

O que sabemos?

Promoção de competências acadêmicas

Um número crescente de evidências sugere que o brincar proporciona às crianças um contexto adequado para aprender e aprimorar suas habilidades de alfabetização, o que decorre de processos cognitivos – solução de problemas, imagens e categorização – incorporados em situações lúdicas. Crianças envolvidas em brincadeiras sócio dramáticas têm melhores condições para compreender narrativas em livros de histórias, em parte devido às suas experiências anteriores de compreensão das intenções alheias e à imitação de diferentes personagens, em parte devido à exposição regular à linguagem sofisticada.

Períodos de brincar livre e de brincar dirigido também estão associados ao desenvolvimento de habilidades de funções executivas – ou seja, habilidades relacionadas à resolução de problemas, atenção e inibição. Isso explica por que crianças que brincam regularmente tendem a apresentar melhor desempenho em matemática e leitura do que aquelas que não têm a oportunidade de brincar.

Promoção de habilidades sociais 

Outros estudos demonstram que o brincar contribui para o desenvolvimento de competências sociais, ajudando a criança a:

  • controlar suas emoções;
  • aprender comportamentos adequados em função do contexto social;
  • esperar sua vez quando estiverem em grupo;
  • negociar e compreender os pontos de vista alheios – por exemplo, negociar os papéis durante a brincadeira "você será a mãe, e eu vou ser a filha"; e
  • lidar com a angústia.

Todas essas habilidades contribuem para competências sociais, tais como fazer amigos e a aumentar o sucesso escolar inicial da criança.

O que pode ser feito?

Quando o brincar está associado ao desenvolvimento acadêmico e social das crianças, educadores e pais devem ser incentivados a criar ambientes para o brincar, estimulando e favorecendo a aprendizagem da criança. Dependendo do tipo do brincar, os pesquisadores recomendam oferecer à criança brinquedos para melhorar:

  • habilidades físicas e de coordenação motora (por exemplo, desafiando as estruturas de escalada);
  • criatividade (por exemplo, blocos de construção, tinta, massinha);
  • habilidades matemáticas (por exemplo, jogos de tabuleiro como o "Chutes and Ladders" – estimativas, contagem e identificação numeral);
  • habilidades linguísticas e de leitura (por exemplo, letras de plástico, jogos de rima, listas de compras, livros de histórias de dormir, brinquedos para faz-de-conta).

Outras recomendações foram sugeridas a fim de reforçar as habilidades de alfabetização da criança. Os pesquisadores sugerem que a criação de contextos enriquecidos por fatores de alfabetização, como um “restaurante real” com mesas, menus, crachás, lápis e blocos de notas, são eficazes para aumentar o potencial da criança no desenvolvimento inicial da alfabetização. Educadores são também encorajados a adotar uma abordagem centrada na criança que objetive não apenas o processo de alfabetização, mas também a criatividade infantil, imaginação, persistência e atitudes positivas em relação à leitura. Professores e educadores também devem fazer um paralelo entre o que pode ser aprendido a partir de atividades lúdicas e a partir do currículo acadêmico para que a criança compreenda que o brincar lhe permite praticar e reforçar o que é aprendido em sala de aula. Entretanto, educadores devem assegurar que um currículo baseado na ludicidade e em brincadeiras inclui atividades que são percebidas como interessantes e prazerosas pelas crianças mais do que apenas pelos seus professores. Por último, a maioria dos especialistas concorda que abordagem equilibrada consiste em favorecer períodos alternados entre brincar livre e brincar estruturado/dirigido. 

Para citar este artigo:

Brincar: Síntese. Em: Tremblay RE, Boivin M, Peters RDeV, eds. Smith PK, ed. tema. Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância [on-line]. http://www.enciclopedia-crianca.com/brincar/sintese. Atualizada: Fevereiro 2013. Consultado: 17/08/2019.