Voltar às publicações recentes

Desenvolvimento do sistema sono-vigília e suas relações com o desenvolvimento psicossocial da criança

Avi Sadeh, DSc

Tel Aviv University, Israel

Novembro 2003 (Inglês). Tradução:em julho 2012

Introdução

A maturação do sistema sono-vigília e a consolidação do sono noturno são processos muito rápidos e proeminentes na primeira infância.1,2  Esses processos são influenciados pelo contexto psicossocial da criança1,3-14  e têm um impacto significativo sobre o funcionamento neurocomportamental e emocional da criança.15-18 Além disso, os padrões de sono ou as perturbações do sono têm efeitos significativos sobre o bem-estar dos pais.5,7,19

Do que se trata

O sono é afetado pelo contexto psicossocial da criança e tem um impacto significativo sobre seu desenvolvimento. As relações bidirecionais entre sono e aspectos psicossociais da criança em desenvolvimento constituem um tópico importante para os profissionais ligados ao cuidado infantil. É fundamental que os profissionais identifiquem os fatores que poderiam facilitar o sono das crianças e que sejam sensíveis ao impacto que o sono insuficiente ou de má qualidade pode ter sobre o desenvolvimento infantil. 

Problemas

Os padrões de sono-vigília evoluem rapidamente durante o desenvolvimento inicial e são considerados como uma das maiores preocupações relativas ao desenvolvimento ou à saúde nesse período. As pesquisas indicam que 20% a 30% das crianças são identificadas como tendo problemas de sono nos três primeiros anos de vida.3,14,20-24 Taxas elevadas de sono inadequado também foram documentadas em crianças em idade pré-escolar.11-25  A alta prevalência dos problemas de sono e seus potenciais efeitos adversos sobre o desenvolvimento psicossocial são as principais questões clínicas e de pesquisa na primeira infância.

Contexto de pesquisa

Diversos métodos de pesquisa têm sido utilizados para estudar a relação entre sono, ambiente psicossocial e desenvolvimento. O sono de bebês e de crianças pequenas tem sido pesquisado com a utilização de métodos como polissonografia,26,27 videogravação de decurso do tempo,1,28 actigrafia,25,29,30  observação direta31,32 e relatos de pais3,15,20 A maioria dos estudos é transversal. Estudos longitudinais são extremamente raros neste campo. Além disso, a maioria dos estudos é de natureza correlacional e, portanto, exclui interpretações causais. Alguns estudos experimentais sobre os efeitos da manipulação do sono foram realizados em crianças mais velhas (de idade escolar). 

Questões-chave de pesquisa

A extensa investigação nesse campo pode ser dividida em três questões principais de pesquisa: 

  1. De que forma os fatores psicossociais afetam a evolução dos padrões de sono-vigília da criança? 
  2. Qual é o impacto do sono insuficiente ou de má qualidade sobre o desenvolvimento psicossocial da criança? e 
  3. Quais são as intervenções psicossociais mais efetivas para melhorar o sono na infância?

Resultados de pesquisas recentes 

A. Efeitos psicossociais sobre o sono das crianças

Características parentais como personalidade, psicopatologia, emprego e educação têm sido repetidamente associadas ao sono na primeira infância.7-9,13,33-35  As interações pais-filhos na hora de dormir mostram-se consistentemente associadas ao sono das crianças. Ficou demonstrado que a presença e o envolvimento ativo dos pais acalmando as crianças na hora de dormir associam-se a mais relatos de problemas de sono.1,3,36,37 Ademais, a maioria dos métodos de intervenção em problemas de sono na primeira infância baseia-se na redução do envolvimento excessivo dos pais no processo de adormecimento da criança ou de retomada do sono depois de um despertar noturno.38-42 Um outro fator psicossocial que tem recebido muita atenção quanto ao sono de crianças pequenas é a questão do dormir junto. Dormir junto pode representar uma escolha culturalmente ou socialmente aceitável ou uma reação dos pais às dificuldades de sono da criança. Na maioria dos estudos, o ato de dormir junto está associado a mais interrupções do sono noturno e a mais queixas relativas ao sono,43-46 embora a associação entre dormir junto e problemas de sono pareça depender de fatores socioculturais. Há um debate acirrado a respeito das vantagens e desvantagens do dormir junto.47-51 Uma das desvantagens mais sérias do dormir junto é o risco de que bebês muito pequenos sejam sufocados ou feridos na cama dos pais. 

O sono também é associado com estresse e trauma na primeira infância.52 Por exemplo, separações breves da mãe podem resultar em perturbações do sono.53-54 No entanto, ao contrário da crença popular, nem todos os estressores resultam em perturbação do sono e há estudos que sugerem que, às vezes, fugir por meio do sono é a forma preferida de regulação biocomportamental do estresse.52

B. O impacto do sono insuficiente ou de má qualidade

Anos de pesquisa com animais e com seres humanos (principalmente com adultos ou crianças mais velhas) demonstraram que o sono insuficiente ou de má qualidade resulta em comprometimento da atenção, em deficits cognitivos e em comprometimento do funcionamento fisiológico. A pesquisa sobre este tema com crianças pequenas é muito restrita, e principalmente de natureza correlacional. Assim sendo, o sono de má qualidade foi associado a temperamento difícil. Entretanto, outros estudos não conseguiram encontrar essas relações.60,61 Um estudo recente com crianças pré-escolares descobriu que padrões de sono perturbado eram preditores de ajustamento menos satisfatório na pré-escola.15 Estudos com crianças de idade escolar demonstraram relações entre sono restrito ou de má qualidade e comprometimento do funcionamento neurocomportamental.62-64 Além disso, um conjunto crescente de evidências sugere que fenômenos fisiológicos relacionados ao sono – por exemplo, ronco e síndrome dos movimentos periódicos da perna –, que ocorrem com muita frequência em crianças, estão associados ao comprometimento do funcionamento no período diurno.65-69

Os efeitos no longo prazo do sono insuficiente ou de má qualidade não são conhecidos. Sugeriu-se que a privação de sono na primeira infância, durante períodos críticos de maturação do cérebro, poderia resultar em efeitos adversos crônicos para o desenvolvimento psicossocial. No entanto, apenas alguns dados de estudos longitudinais dão apoio a essa hipótese.11,18,70-73  Por exemplo, diversos problemas graves de sono na infância aumentaram a probabilidade de diagnóstico de TDAHaos 5 anos de idade.73

C. Intervenções efetivas para problemas de sono na primeira infância

Pesquisas extensivas demonstram a eficácia de abordagens comportamentais e de educação dos pais na prevenção e no tratamento de problemas de sono na primeira infância. Os tratamentos comportamentais obtiveram taxas muito altas de sucesso.30,39,40,42,74  Programas de prevenção que se centram na educação de futuros pais ou de pais de bebês bem pequenos evidenciaram redução na ocorrência de problemas de sono.75-77 Além disso, um estudo demonstrou que muitos pais utilizam informações disponíveis na mídia para resolver com altas taxas de sucesso os problemas de sono de seus filhos.78

É importante notar que o sucesso desses programas de intervenção é acompanhado por efeitos positivos na família. Os pais relatam aumento do senso de competência e níveis mais baixos de estresse após essas intervenções.77,79,80  É importante enfatizar também que problemas de sono na primeira infância são muito persistentes caso não sejam tratados.8,14 Portanto, programas de detecção e intervenção precoce em problemas de sono na primeira infância deveriam ser parte integral de todos os serviços de atenção à saúde infantil. 

Conclusões

As pesquisas demonstraram que até mesmo os pediatras, que são frequentemente a fonte primária de ajuda aos pais que têm filhos com distúrbios de sono, têm pouco conhecimento e formação neste campo.81-82 É importante, portanto, enfatizar a  necessidade de educação extensiva dos pais e dos profissionais de serviços de atenção à saúde em relação a esta área. 

Os pontos seguintes salientam as conclusões principais:

  • O sono de má qualidade pode resultar de fatores médicos ou de fatores de comportamento e de desenvolvimento.
  • A prevalência de sono de má qualidade e de distúrbios relacionados ao sono é muito alta entre as crianças.
  • O sono de má qualidade associa-se nas crianças com comprometimento do funcionamento neurocomportamental e da regulação comportamental.
  • Os distúrbios do sono na infância têm um impacto negativo significativo sobre a família.
  • Existem intervenções médicas e comportamentais muito eficazes para melhorar o sono e prevenir pertubações do sono. 
  • Problemas de sono na primeira infância são muito persistentes caso não sejam tratados.
  • A detecção e a intervenção precoces em problemas de sono na infância podem facilitar o desenvolvimento da criança, reduzir o estresse familiar e melhorar as relações pais-filhos.

Implicações

Os profissionais de serviços de atenção à saúde infantil precisam obter treinamento no rastreamento de problemas de sono em crianças pequenas. O rastreamento de problemas de sono pode ser feito por meio da obtenção de informações específicas sobre os padrões de sono da criança e o nível de fadiga durante o dia. Essas informações podem ser colhidas em entrevistas com os pais, ou por meio de questionários específicos. Os sistemas de saúde e educação devem ter recursos para o encaminhamento para especialistas treinados no diagnóstico e no tratamento de problemas de sono. É importante que esses recursos sejam facilmente acessíveis aos pais, de forma que métodos de prevenção e de intervenção precoce possam ser implementados o mais cedo possível.

É importante pensar em educar crianças pequenas sobre a importância do sono. Em termos de saúde, há uma preocupação crescente com o fato de que as crianças do nosso tempo estejam dormindo menos do que necessitam, e de que muitas delas sejam cronicamente privadas de sono. A educação precoce sobre a importância dessa questão pode encorajar as crianças a não sacrificar o sono em favor de outros atrativos.

Referências

  1. Anders TF, Halpern LF, Hua J. Sleeping through the night: a developmental perspective. Pediatrics 1992;90(4):554-560.
  2. Burnham MM, Goodlin-Jones BL, Gaylor EE, Anders TF. Nighttime sleep-wake patterns and self-soothing from birth to one year of age: a longitudinal intervention study. Journal of Child Psychology and Psychiatry and Allied Disciplines 2002;43(6):713-725.
  3. Adair R, Bauchner H, Philipp B, Levenson S, Zuckerman B. Night waking during infancy: role of parental presence at bedtime. Pediatrics 1991;87(4):500-504.
  4. Benoit D, Zeanah CH, Boucher C, Minde KK. Sleep disorders in early childhood: association with insecure maternal attachment. Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry 1992;31(1):86-93.
  5. Gelman VS, King NJ. Wellbeing of mothers with children exhibiting sleep disturbance. Australian Journal of Psychology 2001;53(1):18-22.
  6. Guedeney A, Kreisler L. Sleep disorders in the first 18 months of life: Hypothesis on the role of mother-child emotional exchanges. Infant Mental Health Journal 1987;8(3):307-318.
  7. Hiscock H, Wake M. Infant sleep problems and postnatal depression: A community- based study. Pediatrics 2001;107(6):1317-1322.
  8. Kataria S, Swanson MS, Trevathan GE. Persistence of sleep disturbances in preschool children. Journal of Pediatrics 1987;110(4):642-646.
  9. Morrell JM. The role of maternal cognitions in infant sleep problems as assessed by a new instrument, the maternal cognitions about infant sleep questionnaire. Journal of Child Psychology and Psychiatry and Allied Disciplines 1999;40(2):247-258.
  10. Nishihara K, Horiuchi S, Eto H, Uchida S. Mothers' wakefulness at night in the post-partum period is related to their infants' circadian sleep-wake rythm. Psychiatry and Clinical Neurosciences 2000;54(3):305-306.
  11. Pollock JI. Night-waking at five years of age: predictors and prognosis. Journal of Child Psychology and Psychiatry and Allied Disciplines 1994;35(4):699-708.
  12. Sander LW, Stechler G, Burns P, Julia H. Early mother-infant interaction and 24-hour patterns of activity and sleep. Journal of the American Academy of Child Psychiatry 1970;9(1):103-123.
  13. Van Tassel EB. The relative influence of child and environmental characteristics on sleep disturbances in the first and second years of life. Journal of  Developmental and Behavioral Pediatrics 1985;6(2):81-85.
  14. Zuckerman B, Stevenson J, Bailey V. Sleep problems in early childhood: continuities, predictive factors, and behavioral correlates Pediatrics 1987;80(5):664-671.
  15. Bates JE, Viken RJ, Alexander DB, Beyers J, Stockton L. Sleep and adjustment in preschool children: sleep diary reports by mothers relate to behavior reports by teachers. Child Development 2002;73(1):62-74.
  16. Dahl RE. The regulation of sleep and arousal: Development and psychopathology. Developmental Psychopathology 1996;8(1):3-27.
  17. Thoman EB. Sleep and wake behaviors in neonates: Consistencies and consequences. Merrill Palmer Quarterly 1975;21(4):295-314.
  18. Thoman EB, Denenberg VH, Sievel J, Zeidner LP, Becker P. State organization in neonates: developmental inconsistency indicates risk for developmental dysfunction. Neuropediatrics 1981;12(1):45-54.
  19. Papousek M, von Hofacker N. Persistent crying in early infancy: a non-trivial condition of risk for the developing mother-infant relationship. Child: Care, Health & Development 1998;24(5):395-424.
  20. Beltramini AU, Hertzig ME. Sleep and bedtime behavior in preschool-aged children. Pediatrics 1983;71(2):153-158.
  21. Kerr S, Jowett S. Sleep problems in pre-school children: a review of the literature. Child: Care, Health & Development 1994;20(6):379-391.
  22. Scher A, Tirosh E, Jaffe M, Rubin L, Sadeh A, Lavie P. Sleep patterns of infants and young children in Israel. International Journal of Behavioral Development 1995;18(4):701-711.
  23. Richman N. Surveys of sleep disorders in child in a general population. In: Guilleminault C, ed. Sleep and its disorders in children. New York: Raven Press; 1987:115-127.
  24. Ottaviano S, Giannotti F, Cortesi F, Bruni O, Ottaviano C. Sleep characteristics in healthy children from birth to 6 years of age in the urban area of Rome. Sleep 1996;19(1):1-3.
  25. Tikotzky L, Sadeh A. Sleep patterns and sleep disruptions in kindergarten children. Journal of Clinical Child Psychology 2001;30(4):581-591.
  26. Coons S, Guilleminault C. Development of sleep-wake patterns and non-rapid eye movement sleep stages during the first six months of life in normal infants. Pediatrics 1982;69(6):793-798.
  27. Tirosh E, Sadeh A, Munvez R, Lavie P. Effects of methylphenidate on sleep in children with attention- deficient hyperactivity disorder. An activity monitor study. American Journal of Diseases of Children 1993;147(12):1313-1315.
  28. Anders TF, Sostek AM. The use of time lapse video recording of sleep-wake behavior in human infants. Psychophysiology 1976;13(2):155-158.
  29. Sadeh A, Lavie P, Scher A, Tirosh E, Epstein R. Actigraphic home-monitoring sleep-disturbed and control infants and young children: a new method for pediatric assessment of sleep-wake patterns. Pediatrics 1991;87(4):494-499.
  30. Sadeh A. Assessment of intervention for infant night waking: parental reports and activity-based home monitoring. Journal of Consulting & Clinical Psychology 1994;62(1):63-68.
  31. Thoman EB, Whitney MP. Sleep states of infants monitored in the home: Individual differences, developmental trends, and origins of diurnal cyclicity. Infant Behavior and Development 1989;12(1):59-75.
  32. Thoman EB, Acebo C. Monitoring of sleep in neonates and young children. In: Ferber R, Kryger M, eds. Principles and Practice of Sleep Medicine in the Child. Philadelphia: W. B. Saunders; 1995:55-68.
  33. Seifer R, Sameroff AJ, Dickstein S, Hayden LC. Parental Psychopathology and Sleep Variation in Children. Child & Adolescent Psychiatric Clinics of North America 1996;5(3):715-727.
  34. Thunstrom M. Severe sleep problems among infants in a normal population in Sweden: prevalence, severity and correlates. Acta Paediatrica 1999;88(12):1356-1363.
  35. Rona RJ, Li L, Gulliford MC, Chinn S. Disturbed sleep: effects of sociocultural factors and illness. Archives of Disease in Childhood 1998;78(1):20-25.
  36. Wolf AW, Lozoff B. Object attachment, thumbsucking, and the passage to sleep. Journal of the American Academy of Child & Adolescent Psychiatry  1989;28(2):287-292.
  37. Morrell J, Cortina-Borja M. The developmental change in strategies parents employ to settle young children to sleep, and their relationship to infant sleeping problems, as assessed by a new questionnaire: The Parental Interactive Bedtime Behaviour Scale. Infant & Child Development 2002;11(1):17-41.
  38. France KG, Hudson SM. Management of infant sleep disturbance: A review. Clinical Psychology Review 1993;13(7):635-647.
  39. Mindell JA. Empirically supported treatments in pediatric psychology: bedtime refusal and night wakings in young children. Journal of Pediatric Psychology 1999;24(6):465-481.
  40. Kuhn BR, Weidinger D. Interventions for infant and toddler sleep disturbance: A review. Child & Family Behavior Therapy 2000;22(2):33-50.
  41. Sadeh A, Anders TF. Infant sleep problems: Origins, assessment, interventions. Infant Mental Health Journal 1993;14(1):17-34.
  42. Ramchandani P, Wiggs L, Webb V, Stores G. A systematic review of treatments for settling problems and night waking in young children. British Medical Journal 2000;320(7229):209-213.
  43. Lozoff B, Askew GL, Wolf AW. Cosleeping and early childhood sleep problems: effects of ethnicity and socioeconomic status. Journal of Developmental & Behavioral Pediatrics 1996;17(1):9-15.
  44. Schachter FF, Fuchs ML, Bijur PE, Stone RK. Cosleeping and sleep problems in Hispanic-American urban young children. Pediatrics 1989;84(3):522-530.
  45. McKenna JJ, Mosko SS. Sleep and arousal, synchrony and independence, among mothers and infants sleeping apart and together (same bed): an experiment in evolutionary medicine. Acta Paediatrica Supplement 1994;397:94-102.
  46. Lozoff B, Wolf AW, Davis NS. Cosleeping in urban families with young children in the United States. Pediatrics 1984;74(2):171-182.
  47. Medoff D, Schaefer CE. Children sharing the parental bed: A review of the advantages and disadvantages of cosleeping. Psychology: A Quarterly Journal of Human Behavior 1993;30(1):1-9.
  48. Hunsley M, Thoman EB. The sleep of co-sleeping infants when they are not co-sleeping: Evidence that co-sleeping is stressful. Developemental Psychobiology 2002;40(1):14-22.
  49. Byard RW. Is co-sleeping in infancy a desirable or dangerous practice? Journal of Pediatrics and Child Health 1994;30(3):198-199.
  50. Rath FH, Jr., Okum ME. Parents and children sleeping together: cosleeping prevalence and concerns. American Journal of Orthopsychiatry 1995;65(3):411-418.
  51. McKenna JJ, Thoman EB, Anders TF, Sadeh A, Schechtman VL, Glotzbach SF. Infant-parent co-sleeping in an evolutionary perspective: implications for understanding infant sleep development and the sudden infant death syndrome. Sleep 1993;16(3):263-282.
  52. Sadeh A. Stress, Trauma, and Sleep in Children. Child & Adolescent Psychiatric Clinics of North America 1996;5(3):685-700.
  53. Field TM. Young children's adaptations to repeated separations from their mothers. Child Development 1991;62(3):539-547.
  54. Field TM, Reite M. Children's responses to separation from mother during the birth of another child. Child Development 1984;55(4):1308-1316.
  55. Carey WB. Night waking and temperament in infancy. Journal of Pediatrics 1974;84(5):756-758.
  56. Schaefer CE. Night waking and temperament in early childhood. Psychological Reports 1990;67(1):192-194.
  57. Keener MA, Zeanah CH, Anders TF. Infant temperament, sleep organization, and nighttime parental interventions. Pediatrics 1988;81(6):762-771.
  58. Sadeh A, Lavie P, Scher A. Sleep and temperament: maternal perceptions of temperament of sleep-disturbed toddlers. Early education and development 1994;5(4):311-322.
  59. Owens-Stively J, Frank N, Smith A, Hagino O, Spirito A, Arrigan M, et al. Child temperament, parenting discipline style, and daytime behavior in childhood sleep disorders. Journal of Developmental & Behavioral Pediatrics 1997;18(5):314-321.
  60. Halpern LF, Anders TF, Garcia Coll C, Hua J. Infant temperament: Is there a relation to sleep-wake states and maternal nighttime behavior? Infant Behavior and Development 1994;17(3):255-263.
  61. Scher A, Tirosh E, Lavie P. The relationship between sleep and temperament revisited: evidence for 12-month-olds: a research note. Journal of Child Psychology and Psychiatry and Allied Disciplines 1998;39(5):785-788.
  62. Sadeh A, Gruber R, Raviv A. Sleep, neurobehavioral functioning and behavior problems in school-age children. Child Development 2002;73(2):405-417.
  63. Fallone G, Acebo C, Arnedt JT, Seifer R, Carskadon MA. Effects of acute sleep restriction on behavior, sustained attention, and response inhibition in children. Perceptual & Motor Skills 2001;93(1):213-229.
  64. Randazzo AC, Muehlbach MJ, Schweitzer PK, Walsh JK. Cognitive function following acute sleep restriction in children ages 10-14. Sleep 1998;21(8):861-868.
  65. Ali NJ, Pitson DJ, Stradling JR. Snoring, sleep disturbance, and behaviour in 4-5 year olds. Archives of Disease in Childhood 1993;68(3):360-366.
  66. Blunden S, Lushington K, Kennedy D, Martin J, Dawson D. Behavior and neurocognitive performance in children aged 5-10 years who snore compared to controls. Journal of Clinical & Experimental Neuropsychology 2000;22(5):554-568.
  67. Chervin RD, Archbold KH, Dillon JE, Panahi P, Pituch KJ, Dahl RE, et al. Inattention, hyperactivity, and symptoms of sleep-disordered breathing. Pediatrics 2002;109(3):449-456.
  68. Teculescu DB, Caillier I, Perrin P, Rebstock E, Rauch A. Snoring in French preschool children. Pediatric Pulmonology 1992;13(4):239-244.
  69. Picchietti DL, England SJ, Walters AS, Willis K, Verrico T. Periodic limb movement disorder and restless legs syndrome in children with attention-deficit hyperactivity disorder. Journal of Child Neurology 1998;13(12):588-594.
  70. Lombroso CT, Matsumiya Y. Stability in waking-sleep states in neonates as a predictor of long- term neurologic outcome. Pediatrics 1985;76(1):52-63.
  71. Gertner S, Greenbaum CW, Sadeh A, Dolfin Z, Sirota L, Ben-Nun Y. Sleep-wake patterns in preterm infants and 6 month's home environment: implications for early cognitive development. Early Human Development 2002;68(2):93-102.
  72. Freudigman KA, Thoman EB. Infant sleep during the first postnatal day: an opportunity for assessment of vulnerability. Pediatrics 1993;92(3):373-379.
  73. Thunstrom M. Severe sleep problems in infancy associated with subsequent development of attention-deficit/hyperactivity disorder at 5.5 years of age. Acta Paediatrica 2002;91(5):584-592.
  74. Owens JL, France KG, Wiggs L. Behavioural and cognitive-behavioural interventions for sleep disorders in infants and children: A review. Sleep Medicine Reviews 1999;3(4):281-302.
  75. Kerr SM, Jowett SA, Smith LN. Preventing sleep problems in infants: a randomized controlled trial. Journal of Advanced Nursing 1996;24(5):938-942.
  76. Wolfson AR. Working with parents on developing efficacious sleep/wake habits for infants and young children. In: Briesmeister JM, Schaefer CE, eds. Handbook of parent training: Parents as co-therapists for children's behavior problems. 2nd ed. New York, NY: John Wiley and Sons, Inc.; 1998:347-383.
  77. Wolfson A, Lacks P, Futterman A. Effects of parent training on infant sleeping patterns, parents' stress, and perceived parental competence. Journal of Consulting & Clinical Psychology 1992;60(1):41-48.
  78. Johnson CM. Infant and toddler sleep: a telephone survey of parents in one community. Journal of Developmental & Behavioral Pediatrics 1991;12(2):108-114.
  79. Mindell JA, Durand VM. Treatment of childhood sleep disorders: generalization across disorders and effects on family members. Journal of Pediatric Psychology 1993;18(6):731-750.
  80. Hiscock H, Wake M. Randomised controlled trial of behavioural infant sleep intervention to improve infant sleep and maternal mood. British Medical Journal 2002;324(7345):1062-1065.
  81. Mindell JA, Moline ML, Zendell SM, Brown LW, Fry JM. Pediatricians and sleep disorders: training and practice. Pediatrics 1994;94(2):194-200.
  82. Owens JA. The practice of pediatric sleep medicine: Results of a community survey. Pediatrics 2001;108(3):U95-U110 Art. no E51.

Nota:

aTranstorno do Deficit de Atenção com Hiperatividade

Para citar este artigo:

Sadeh A. Desenvolvimento do sistema sono-vigília e suas relações com o desenvolvimento psicossocial da criança. Em: Tremblay RE, Boivin M, Peters RDeV, eds. Petit D, ed. tema. Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância [on-line]. http://www.enciclopedia-crianca.com/sono/segundo-especialistas/desenvolvimento-do-sistema-sono-vigilia-e-suas-relacoes-com-o. Publicado: Novembro 2003 (Inglês). Consultado: 23/08/2019.