Intervenções precoces para melhorar competências sociais entre pares de crianças de baixa renda


Universidade de Lehigh, EUA, Universidade de New York, EUA
(Inglês). Tradução: outubro de 2011

Versão em PDF

Introdução

Competência social é definida como as capacidades que as crianças possuem de desenvolver relações positivas com adultos e outras crianças.1 Aceita-se amplamente que o desenvolvimento da criança em todas as áreas de funcionamento é influenciado por essa capacidade de estabelecer e manter relações positivas, consistentes e primárias com adultos e pares.2 Pesquisadores e educadores da primeira infância reconhecem que a competência social é uma área complexa e multifacetada de desenvolvimento, e inclui habilidades como controlar  as próprias emoções, comunicar-se efetivamente, ser capaz de assumir a perspectiva do outro, resolver conflitos e problemas, e estabelecer relações positivas com seus pares.3

Do que se trata

Para crianças em idade pré-escolar, administrar relações efetivas com seus pares representa uma tarefa importante de desenvolvimento e um indicador primário de prontidão para a escola. A brincadeira iniciada pela criança nos anos pré-escolares oferece um contexto dinâmico de desenvolvimento no qual essa competência manifesta-se.4 Estudos evidenciaram associações importantes entre interações lúdicas positivas entre pares e o desenvolvimento de outras competências indicadoras de prontidão para a escola, como habilidades emergentes de letramento, acesso à aprendizagem, e autorregulação.5,6 Por exemplo, por meio da brincadeira de faz-de-conta, as crianças desenvolvem a habilidade de contar histórias e habilidades de memória que contribuem para o letramento emergente.6 Além disso, a manutenção de interações lúdicas efetivas com pares requer que a criança exercite autocontrole e uma  série  de  outros  comportamentos  importantes que podem afetar a aprendizagem na escola, tais como cooperação, atenção e persistência.7,4 Crianças que desenvolvem relações positivas com seus pares durante os anos pré-escolares tendem a ter maior probabilidade de ter uma adaptação positiva no jardim de infância, bem como resultados sociais e acadêmicos positivos na escola primária e no ensino médio.8-10

Problemas

Inversamente, relações insatisfatórias entre pares nos primeiros anos de vida associam-se a consequências prejudiciais em períodos posteriores do desenvolvimento e na vida adulta.11,12 Problemas entre pares foram associados a desempenho acadêmico mais baixo, repetência, evasão escolar e falta de foco emocional.13-19 Enquanto a aceitação pelos pares motiva as crianças a envolverem-se nas atividades de sala de aula, a rejeição e o conflito entre pares podem reprimir a motivação das crianças.20-22 Crianças de baixa renda tendem mais do que seus pares mais favorecidos a evidenciar dificuldades precoces na escola, entre as quais problemas comportamentais e emocionais e baixo desempenho acadêmico23, 24 e, portanto, correm maior risco de dificuldades persistentes no decorrer da escolarização, tais como repetência e evasão escolar.

Contexto de pesquisa

Até o momento, as abordagens mais amplamente utilizadas e estudadas para a promoção da competência social em crianças envolvem: (a) treinamento explícito em habilidades sociais; ou (b) ensinar as crianças um processo de resolução de conflitos sociais para encontrar soluções pró-sociais em conflitos interpessoais. Em conjunto, as avaliações de programas de treinamento de habilidades sociais não evidenciaram resultados favoráveis, particularmente quando é analisada a generalização das habilidades treinadas para contextos naturais de brincadeira e aceitação social.26,27 Embora os programas de treinamento em resolução de conflitos sociais possam ser eficazes em termos do aumento da percepção das crianças sobre soluções alternativas de conflitos interpessoais e da redução de problemas de comportamento, tais programas não promovem explicitamente comportamento lúdico positivo entre pares.28 Assim, as intervenções que estão amplamente disponíveis não focalizam suficientemente a expressão relevante em termos de desenvolvimento da competência social para o comportamento lúdico de crianças pré-escolares com seus pares.

Na literatura de pesquisa, pouca atenção é dedicada às intervenções da resposta cultural da competência social para crianças de baixa renda.29 Há pouco conhecimento disponível sobre a interface particular da cultura com comportamentos lúdicos de crianças com seus pares. Somando-se a esse problema, as intervenções em competência social são desenvolvidas principalmente por especialistas, que não são membros dos programas para a primeira infância ou das comunidades nas quais a intervenção é implementada. Assim, as competências sociais visadas podem não ser valorizadas nas culturas representadas pelas crianças e suas famílias.30 Desenvolver intervenções em parceria com os interessados (por exemplo, educadores infantis, famílias) é uma alternativa promissora que oferece espaço para o estabelecimento de programas de intervenção culturalmente significativos e sustentáveis.31

Em parceria com o Head Start, Fantuzzo e colegas propuseram a aplicação de intervenções lúdicas entre pares para crianças pré-escolares de baixa renda em programas de educação infantil.32 As intervenções são inseridas nas oportunidades naturais e rotineiras de brincadeiras das crianças, e utilizam pares de idade em vez de adultos como facilitadores da aquisição de habilidades sociais pelas crianças. A intervenção Play Buddy (Parceiro especial de brincadeira) envolve o pareamento de pré-escolares socialmente isolados (Play partners - Parceiro de Brincadeira) com pré-escolares socialmente adaptados (Parceiros especiais de brincadeira) durante oportunidades rotineiras de brincadeira livre na sala de aula, e a identificação de um voluntário da família (Play supporter - Suporte da brincadeira) para dar apoio às estratégias pró-ativas do parceiro especial para envolver o parceiro de brincadeira. Em conjunto, a parceria com a equipe do Head Start e com as famílias no desenvolvimento do programa, a confiança nos contextos naturais para a definição e a provocação de comportamentos lúdicos positivos, e a incorporação de auxiliares naturais na implementação da intervenção enriquecem a relevância desta intervenção para crianças de ambientes culturalmente e socioeconomicamente diversificados.

Questões-chave de pesquisa

O principal desafio para os pesquisadores da primeira infância é reconhecer a interface entre valores culturais diversos e competências sociais. Até o momento, crianças caucasianas de classe média são o foco mais frequente das pesquisas sobre intervenções, e quase sempre representam os padrões para a avaliação de comportamentos sociais adequados.33 Consequentemente, as práticas de avaliação e intervenção não podem ser tomadas como significativas e eficazes para crianças de ambientes culturais e socioeconômicos diversos. De preferência, essas práticas devem ser examinadas empiricamente com populações específicas, explorando formas culturalmente sensíveis de desenvolver e oferecer serviços. Embora a intervenção Play Buddy tenha surgido como uma intervenção eficaz para promover comportamento lúdico entre pares que seja relevante em termos de desenvolvimento para crianças de baixa renda, o alcance de avaliação desse programa foi sobre o comportamento lúdico entre pares em sala de aula. Pesquisas futuras deveriam expandir o foco para examinar os efeitos da aquisição de comportamento lúdico pró-social entre pares sobre as relações das crianças e seu comportamento em família e em contextos comunitários.34 Além disso, são necessárias avaliações longitudinais para documentar os benefícios da intervenção no longo prazo.

Resultados de pesquisas recentes

As abordagens tradicionais para a promoção da competência social não focalizaram suficientemente o constructo singular, relevante em termos de desenvolvimento, da brincadeira entre pares em crianças pré-escolares. Além disso, os valores culturais particulares inerentes a populações de baixa renda e de minorias étnicas de crianças pré-escolares foram negligenciados no desenvolvimento e avaliação de programas de intervenção em competências sociais. No entanto, utilizando uma abordagem inovadora ao desenvolvimento de intervenções em competências sociais em parceira com educadores infantis e com famílias, o Play Buddy emerge como uma intervenção promissora para crianças pré-escolares de baixa renda. Ensaios aleatórios de campo demonstraram a eficácia dessa intervenção, mostrando que os progressos nas interações lúdicas positivas das crianças com seus pares generalizaram-se para suas experiências no ambiente natural de sala de aula.34,35 Esses resultados sublinham a importância da inserção das intervenções nos contextos naturais das crianças, utilizando crianças e adultos conhecidos na implementação do programa de intervenção e trabalhando em parceria para garantir que o foco da intervenção seja relevante culturalmente e em termos de desenvolvimento.

Conclusões

Os anos pré-escolares são cruciais para o desenvolvimento de competências sociais que irão garantir o sucesso na escola e na vida. Nesse período de desenvolvimento, a brincadeira entre pares é um contexto natural e dinâmico para favorecer a aquisição, pela criança, de competências sociais importantes. Intervenções em competência social que sejam inseridas no contexto significativo da brincadeira emergem como a forma mais efetiva de melhorar as interações lúdicas entre pares em crianças que têm dificuldades em termos de competências sociais. Além disso, o desenvolvimento e a implementação de intervenções em parceria com educadores infantis e com as famílias das crianças aumentam sua relevância para crianças que representam culturas e ambientes socioeconômicos diferentes.

Implicações

  • Educadores infantis e famílias devem ser envolvidos no desenvolvimento, seleção e implementação de intervenções em competência social.
  • A pesquisa deve examinar a interface singular da cultura e do comportamento lúdico das crianças, subsidiando o desenvolvimento de práticas culturalmente adequadas.
  • O conhecimento sobre a importância da brincadeira para crianças pequenas e dos contextos que provocam e favorecem a brincadeira entre pares deve ser integrado com as práticas educacionais em programas para a primeira infância dirigidos a crianças de baixa renda, como o Head Start.

Références

  1. Hart CH, Olsen SF, Robinson CC, Mandleco BL.  The development of social and communicative competence in childhood: Review and a model of personal, familial, and extrafamilial processes. In: Burleson BR, Kunkel AW, eds. Communication yearbook 20. Thousand Oaks, Calif: Sage Publications; 1997:305-373.
  2. Sroufe AL, Cooper RG, DeHart GB, Marshall ME, Bronfenbrenner U, eds. Child development: Its nature and course. 2nd ed. New York, NY: McGraw-Hill Book Company; 1992.
  3. Raver CC, Zigler EF.  Social competence: An untapped dimension in evaluating Head Start’s success. Early Childhood Research Quarterly 1997;12(4):363-385.
  4. Bredekamp S, Copple C, eds. Developmentally appropriate practice in early childhood programs. Rev. ed. Washington, DC: National Association for the Education of Young Children; 1997.
  5. Fisher EP. The impact of play on development: A meta-analysis. Play & Culture 1992;5(2):159-181.
  6. Shonkoff JP, Phillips DA, eds. From neurons to neighborhoods: The science of early childhood development. Washington, DC: National Academy Press; 2000.
  7. Pelligrini AD, Galda L. Ten years after: A reexamination of symbolic play and literacy research. Reading Research Quarterly 1993;28(2):162-175.
  8. Creasey GL, Jarvis PA, Berk LE. Play and social competence. In: Saracho ON, Spodek B, eds. Multiple perspectives on play in early childhood education. SUNY series, early childhood education: Inquiries and insights. Albany, NY: State University of New York Press; 1998:116-143.
  9. Hampton V. Validation of the Penn Interactive Peer Play Scale (PIPPS) for urban kindergarten children. Philadelphia, Pa: University of Pennsylvania; 1999. Thèse de doctorat non publiée.
  10. Ladd GW, Kochenderfer BJ, Coleman CC. Friendship quality as a predictor of young children’s early school adjustment. Child Development 1996;67(3):1103-1118.
  11. Ladd GW, Price JM. Predicting children’s social and school adjustment following the transition from preschool to kindergarten. Child Development 1987;58(5):1168-1189.
  12. Denham SA, Holt RW. Preschoolers’ likability as cause or consequence of their social behavior. Developmental Psychology 1993;29(2):271-275.
  13. DeRosier M, Kupersmidt JB, Patterson CJ. Children’s academic and behavioral adjustment as a function of the chronicity and proximity of peer rejection. Child Development 1994;65(6):1799-1813.
  14. Buhs ES, Ladd GW. Peer rejection as antecedent of young children’s school adjustment: An examination of mediating processes. Developmental Psychology 2001;37(4):550-560.
  15. Hartup WW, Moore SG. Early peer relations: Developmental significance and prognostic implications. Early Childhood Research Quarterly 1990;5(1):1-17.
  16. Kupersmidt JB, Coie JD, Dodge KA. The role of poor peer relationships in the development of disorder. In: Asher SR, Coie JD, eds. Peer rejection in childhood. Cambridge studies in social and emotional development. New York, NY: Cambridge University Press; 1990:274-305.
  17. Ladd GW, Coleman CC. Children’s classroom peer relationships and early school attitudes: Concurrent and longitudinal associations. Early Education & Development 1997;8(1):51-66.
  18. Ialongo NS, Vaden-Kiernan N, Kellam S. Early peer rejection and aggression: Longitudinal relations with adolescent behavior. Journal of Developmental & Physical Disabilities 1998;10(2):199-213.
  19. Parker JG, Asher SR. Peer relations and later personal adjustment: Are low-accepted children at risk? Psychological Bulletin 1987;102(3):357-389.
  20. Birch SH, Ladd GW. Interpersonal relationships in the school environment and children’s early school adjustment: The role of teachers and peers. In: Juvonen J, Wentzel KR, eds. Social motivation: Understanding children’s adjustment. New York, NY: Cambridge University Press; 1996:199-225.
  21. Ladd GW, Buhs ES, Seid M. Children's initial sentiments about kindergarten: Is school liking an antecedent of early classroom participation and achievement? Merrill-Palmer Quarterly 2000;46(2):255-279.
  22. Wentzel KR. Social-motivational processes and interpersonal relationships: Implications for understanding motivation at school. Journal of Educational Psychology 1999;91(1):76-97.
  23. Duncan GJ, Brooks-Gunn J, Klebanov PK. Economic deprivation and early childhood development. Child Development 1994;65(2):296-318.
  24. Weiss A, Fantuzzo JW. Multivariate impact of health and caretaking risk factors on the school adjustment of first graders. Journal of Community Psychology 2001;29(2):141-160.
  25. Alexander KL, Entwisle DR, Dauber SL. Children in motion: School transfers and elementary school performance. Journal of Educational Research 1996;90(1):3-12. 
  26. Odom SL, McConnell SR. Play time/social time: Organizing your classroom to build interaction skills. Tucson, Ariz: Communication Skill Builders; 1993.
  27. Gresham FM, Sugai G, Horner RH. Interpreting outcomes of social skills training for students with high-incidence disabilities. Exceptional Children 2001;67(3):331-344.
  28. Shure MB. I can problem solve (ICPS): Interpersonal cognitive problem solving for young children. Early Child Development and Care 1993;96:49-64.
  29. Roopnarine JL, Lasker J, Sacks M, Stores M. The cultural contexts of children’s play. In: Saracho ON, Spodek B, eds. Multiple perspectives on play in early childhood education. Albany, NY: State University of New York Press; 1998:149-219.
  30. Fantuzzo J, Coolahan KC, Weiss A. Resiliency partnership-directed intervention: Enhancing the social competencies of preschool victims of physical abuse by developing peer resources and community strengths. In: Cicchetti D, Toth SL, eds. Developmental perspectives on trauma: Theory, research, and intervention. Rochester, NY: University of Rochester Press; 1997:463-489.Rochester symposium on developmental psychology; vol. 8.
  31. Nastasi BK, Varjas K, Schensul SL, Silva KT, Schensul JJ, Ratnayake P. The Participatory Intervention Model: A framework for conceptualizing and promoting intervention acceptability. School Psychology Quarterly 2000;15(2):207-232.
  32. Fantuzzo JW, Atkins MS. Resilient peer training: A community-based treatment to improve the social effectiveness of maltreating parents and preschool victims of physical abus. Washington, DC: National Center on Child Abuse and Neglect; 1995. Publication No. 90-CA-147103.
  33. Fantuzzo JW, McWayne C, Cohen HL. Peer play in early childhood. In: Fisher CB, Lerner RM, eds. Applied developmental science: An encyclopedia of research policies and programs. Thousand Oaks, Calif: Sage; Sous presse.
  34. Fantuzzo JW, Manz PH, Atkins M, Meyers R. Peer-mediated treatment of socially withdrawn maltreated preschooler: Cultivating natural community resources. Journal of Clinical Child and Adolescent Psychology. Sous presse.
  35. Fantuzzo JW, Sutton-Smith B, Atkins M, Meyers R, Stevenson H, Coolahan K, Weiss A, Manz PH. Community-based resilient peer treatment of withdrawn maltreated preschool children. Journal of Consulting and Clinical Psychology 1996;64(6):1377-1386.

Para citar este artigo:

Manz PH, McWayne CM. Intervenções precoces para melhorar competências sociais entre pares de crianças de baixa renda. Em: Tremblay RE, Boivin M, Peters RDeV, eds. Boivin M, ed. tema. Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância [on-line]. https://www.enciclopedia-crianca.com/relacoes-entre-pares/segundo-especialistas/intervencoes-precoces-para-melhorar-competencias-sociais. Publicado: Novembro 2004 (Inglês). Consultado em 29 de maio de 2022.

Texto copiado para a área de transferência ✓